7 de abr de 2011

O que será de nós?



Ultimamente muito se fala sobre a crise da igreja evangélica brasileira, mas quem são os culpados dessa queda que está havendo na igreja evangélica. Muitos saudosistas da época dos primórdios do nascedouro da igreja pentecostal no Brasil a que boa ou grande parte se deve a uma jovem senhora que dentro de alguns meses completará cem anos.

Será que nunca houve crise na igreja? Claro que sim isto não é nenhuma novidade. Novidade mesmo é a dinastia que está se perpetuando na igreja (não como corpo místico de Cristo) brasileira, onde os interesses pelo poder são muito grandes, e a liderança não se alterna de forma nenhuma e hipocritamente dizem ser conduzidos pelo Espírito do Senhor.

Há nas escrituras vários exemplos de homens que Deus simplesmente arrancou do poder e deu a outro por má conduta de sua liderança, casos como o Sacerdote Eli, que deixou seus filhos deitar e rolar enquanto sacerdote, e muitos outros exemplos de má conduta de liderança.

Fala-se muito em moral religiosa cristã, ética ministerial, orientação do Espírito Santo, mas será que o mesmo Espírito corrobora com o nepotismo, por exemplo? Será que a moralidade ficar a tanto tempo à frente de uma convenção? Empurrar lideranças à goela abaixo, favorecimentos de parentes em cargos de lideranças, isso é moral?Fala-se tanto em usos e costumes para agradar a linha veterana da liderança, e o pior usando a bíblia para defender questões que todos nós estamos carecas de saber que em nada tem a ver como estão pregando para satisfazer uma minoria clerical, seguindo por jovens bajuladores que ficam a espreita procurando uma brecha para entrar.

De certa forma estou enojado com esta situação, há um grito de alerta preso na minha garganta e que posso fazê-lo através da escrita. Convenções que nada resolvem, ha não serem para se gastar dinheiro quer deveriam ajudar os necessitados da igreja e também cuidar dos órfãos e viúvas vão para os aviões e hotéis luxuosos e sei muito do que estou falando, pois já participei de varias delas, mas decidi que não vou mais participar e isso para mim é ponto pacifico.

Se Gasta dinheiro e mais dinheiro para campanhas presidenciáveis e sinceramente gostaria de saber de onde sai esta dinheirama toda, e ainda falam de moralidade? Que moralidade é essa que se muda o estatuto toda hora para beneficiamento do candidato presidenciável?

A cada dia estou mais convencido que estamos vivendo um período critico e negro da igreja brasileira, e alguns acham moral o que está acontecendo, pessoas se autoproclamando patriarcas e homens se dobrando diante de um reles mortal, que usurpa para si a gloria , porem a bíblia é muita clara ao dizer: “Deus não dá sua gloria a outrem”(Isaias 42.8).

Estamos vivendo uma época de Aristocracia ou Democracia?

Aristocracia (do grego αριστοκρατία, de άριστος (aristos), melhores; e κράτος (kratos), poder, Estado), literalmente poder dos melhores, é uma forma de governo na qual o poder político é dominado por um grupo elitista. Normalmente, as pessoas desse grupo são da classe dominante, como grandes proprietários de terra (latifundiários), militares, sacerdotes, etc. Um exemplo de estado governado pela aristocracia é a antiga cidade-estado de Esparta que, durante toda a sua história, foi governada pela aristocracia latifundiária guerreira.(pt.wikipedia.org/wiki/Aristocracia)

Democracia ("demo+kratos") é um regime de governo em que o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos (povo), direta ou indiretamente, por meio de representantes eleitos — forma mais usual. Uma democracia pode existir num sistema presidencialista ou parlamentarista, republicano ou monárquico.

As Democracias podem ser divididas em diferentes tipos, baseado em um número de distinções. A distinção mais importante acontece entre democracia direta (algumas vezes chamada "democracia pura"), onde o povo expressa a sua vontade por voto direto em cada assunto particular, e a democracia representativa (algumas vezes chamada "democracia indireta"), onde o povo expressa sua vontade através da eleição de representantes que tomam decisões em nome daqueles que os elegeram.

Outros itens importantes na democracia incluem exatamente quem é "o Povo", isto é, quem terá direito ao voto; como proteger os direitos de minorias contra a "tirania da maioria" e qual sistema deve ser usado para a eleição de representantes ou outros executivos.(pt.wikipedia.org/wiki/Democracia)

Na igreja evangélica cada trecho já tem seu cacique, e um querendo tomar o trecho do outros e alguns não podem nem saber que o pastor titular está enfermo que torcem pelo tal não voltar as suas funções para então substituí-lo, atitude lamentável, mais é o que acontece.

O maior exemplo de democracia que já vi em minha denominação foi dada estes dias, no Estado do Paraná, mais precisamente na Assembléia de Deus em Curitiba, onde os membros foram as urnas e elegeram aquele que acharam o correto para administrar a igreja em Curitiba, mas a diferença de votos não foi tão expressiva , mas prevaleceu acima de tudo a democracia.

Oxalá em São Paulo fosse da mesma o povo escolhesse o novo presidente que irá comandar a igreja e com tempo determinado para novas eleições, e que a membresia fosse soberana para escolher quem quer que seja e não ser empurrado de goela abaixo, como estou convencido de que vai ser.


Em Cristo, no Calvário a maior expressão do amor de Deus;

Pr. Marcos Serafim Silva