8 de ago de 2011

Para perdoar os nossos pecados

Para perdoar os nossos pecados

Quando perdoamos uma divida, uma ofensa, uma injuria, não exigimos pagamento para a resolução do problema.Isso seria o oposto do perdão.

Se o pagamento nos for feito daquilo que perdemos, não há necessidade de perdão.

O perdão pressupõe graça.Se eu for ferido por você, a graça abra mão.Eu não invisto em você.Eu o perdôo.A graça dá lago que não é merecido.O perdão não e dar o troco.É entregar o direito de exigir o troco.

É o que Deus faz por nos quando confiamos em Cristo”[...] por meio de seu nome , todo aquele que nele crê recebe remissão de pecados”- Atos 10:43. Se cremos em Cristo , Deus já não leva em conta os nossos pecados.É o testemunho do próprio Deus na bíblia: “Eu, eu mesmo , sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro.” – Isaias 43.25.”Quanto dista o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões” - Salmos 103:12.

Mas isso levanta um problema.Todos nos sabemos que não basta o perdão.Porque todo o pecado é uma afronta à justiça divina.É Deus que tem a gloria ferida quando nós pecamos, desobedecemos e blasfemamos.O mal feito a gloria de Deus tem de ser reparado para que na justiça Sua gloria brilhe mais.

Por essa razão Cristo sofreu e morreu.O perdão não custa nada.Todo ato de obediência de alto preço é fruto, não raiz, do perdão. Por isso chamamos graça.Mas a Jesus custou a própria vida.É por essa razão que O chamamos de justo.Que bela noticia saber que Deus não nos acusa dos nossos pecados!

“No qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” - Efésios1: 7.

“[...] isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado em favor, para a remissão de pecados”.– Mateus 26:28.

Fonte:

Oliveira, Marcelo – Morreu para que vivêssemos.São Paulo: Naós, 2010.

N’Ele que morreu para que vivêssemos,

Pr. Marcos Serafim Silva