28 de abr de 2014

ENCONTRO DE CASAIS DA AD - OSASCO 2014



Neste Final de semana passado aconteceu mais um encontro de casais da AD-Osasco; baseado no Tema "Formando um time vencedor"  

Folder do encontro de casais 2014 da AD - Osasco 


Pastor Jose Amaro da Silva, mentor , incentivador e participante assíduo do encontro de casais 2014  

Fotos do Local - Passagem  

Cascata - uma linda imagem

Cachoeira dentro do hotel 
Pastor Jose Teodoberto e esposa
Pastor Elias e esposa
Pastor Ricardo e esposa ; eu e esposa
Doutor Jesimar e Edna; organizadores e palestrantes no evento
Pastor Joel Tavares; Pastor Joel Moises, eu, Giuliana, Hugo e Mary
Hugo e Mary
Deli e Giuliana
Pastor Fábio e esposa
Pastor Gesanias e esposa
Pastor Gesanias, Pastor Jose Amaro, Eu, Hugo
Pastor Joel Moises, um dos organizadores a caráter 
Pastor Simão e esposa
Pastor Eduardo e esposa irmã Cristiane
Pastor Joel Tavares e esposa irmã Celia 
Junior e Vanessa
Pastor Esdras e esposa irmã Roberta
Pastor Claudio e esposa
Irmão da congregação Padroeira II presente ao evento
Jaqueline e Junior
Israel e Nilma 
Irmã Adriana e Pastor João Lino
Emerson e Janete
Pastor Joel Moises e Pastor José Amaro 
Irmã Vera; Pastor Luiz , Eu e Giuliana

Diácono Amaury

Equipe de organização do evento

Família do Pastor Jose Amaro da Silva em comemoração dos seus 56 anos de união conjugal

Cantinho reservado a oração dos casais 

Pastor Carlos Alberto conduziu o momento de adoração  

Pastor Joel Moises 

Yasmim(uma graça) filha do Pastor Erivaldo

Pastor Erivaldo
Momento do almoço e jantar momentos totalmente agradáveis 
Pastor Messias de Santa Catarina - preletor do evento
Equipe louvor 
Pastor João Lino e Eu 

Pastor Vicente e esposa


Os “itas” estão perseguindo você?



Depois disso, os moabitas e os amonitas, com alguns dos meunitas, entraram em guerra contra Josafá. ( 2 Crônicas 20.1)

No versículo de hoje, os moabitas, os amonitas e os meunitas estavam atrás do rei Josafá e do povo de Judá. Em outros trechos do Velho Testamento, os hititas e os canaanitas criavam problemas para o povo de Deus.Mas no nosso caso, são os “medo-itas”, as “doença-itas”, os “estresse-itas”, os “problemas financeiros-itas”, os “insegurança-itas”, os “vizinhos carrancudos-itas” e daí por diante.
Eu me pergunto quais são os “itas” que estão perseguindo agora? Sejam eles quais forem, você pode aprender com a reação do rei Josafá aos “itas” que estavam no seu encalço.
A primeira coisa que ele fez foi ter medo, mas depois rapidamente fez outra coisa: ele se dispôs a buscar o Senhor. Determinado a ouvir a Deus, Josafá chegou a proclamar um jejum em todo o reino com esse mesmo propósito. Ele sabia que precisava ouvir de Deus. Ele precisava de um plano de batalha, e só Deus podia dar a ele um plano vitorioso.
 Assim como Josafá, devemos desenvolver o hábito de correr para Deus em vez de correr para as pessoas quando temos problemas. Devemos consultá-lo em vez de consultar a nossa própria sabedoria ou pedir a opinião de outras pessoas. Devemos perguntar para nós mesmos se “corremos para o telefone ou se corremos para o trono” quando nos deparamos com problemas. Deus pode usar uma pessoa para nos dar uma palavra de aconselhamento, mas precisamos sempre buscá-lo primeiro.
Ouvir a voz de Deus é uma maneira tremenda de combater o medo. Quando ouvimos Deus, a fé enche o nosso coração e expulsa o medo. Josafá sabia que precisava ouvir a voz de Deus séculos atrás e temos a mesma necessidade agora. Certifique-se de buscar a Deus e de ouvir a Sua voz hoje.

A PALAVRA DE DEUS PARA VOCÊ HOJE: peça a Deus para protegê-lo contra os “itas” da sua vida.


Fonte : www.lagoinha.com/ibl-vida-crista/os-itas-estao-perseguindo-voce/

25 de abr de 2014

E se?



Por
 Max Lucado

E se, por um dia, Jesus se tornasse você? Acordando na sua cama, andando com os seus sapatos, assumindo a sua agenda? Com uma exceção - nada muda na sua vida. Nem as suas circunstâncias. Nem a sua agenda. Nem os seus problemas. Somente uma mudança ocorre! As prioridades dele governam as suas ações. O amor dele direciona o seu comportamento.
Como você seria? As pessoas perceberiam uma mudança? E quanto aos menos afortunados? Você os trataria da mesma maneira? E os seus amigos? Eles detectariam mais alegria?
Pare e pense na sua agenda. Obrigações. Compromissos. Horários. Algo mudaria? Continue trabalhando nisso por um momento. Ajuste as lentes da sua imaginação até você ter uma imagem clara de Jesus conduzindo a sua vida. Então enquadre a imagem. O que você vê é o que Deus quer. Ele quer que você “pense e aja como Cristo Jesus”. Deus quer que você seja exatamente como Jesus!

“E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito” (2 Coríntios 3:18).

Notas:

Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques
Texto original extraído do site
 www.maxlucado.com

24 de abr de 2014

DEVOCIONAL - A CENTRALIDADE DA CRUZ

Porque, quando estive com vocês, resolvi esquecer tudo, a não ser Jesus Cristo e principalmente a sua morte na cruz. [1 Coríntios 2.2, NTLH]
Qualquer pessoa que estude o cristianismo pela primeira vez logo ficará impressionada com sua ênfase na morte de Jesus e, como já vimos, particularmente com o espaço desproporcional que os evangelistas dedicam à sua última semana de vida.
Os autores dos Evangelhos haviam aprendido essa ênfase com o próprio Jesus. Em três ocasiões distintas e solenes Jesus predisse sua morte dizendo: “Era necessário que o Filho do Homem sofresse muitas coisas… e… fosse morto” (Mc 8.31). Era necessário que isso acontecesse — ele insistiu — porque havia sido predito nas Escrituras do Antigo Testamento. Jesus também se referiu à sua morte como a sua “hora”, a hora para a qual ele viera ao mundo. No começo, ele repetiu que ela ainda “não havia chegado”, mas finalmente pôde dizer que “sua hora chegara”.
Talvez o mais impressionante de tudo isso seja o fato de Jesus ter determinado, de modo deliberado, como gostaria de ser lembrado. Ele instruiu seus discípulos a tomar, partir e comer o pão em memória de seu corpo, que seria partido por eles, e a tomar, derramar e beber o vinho em memória de seu sangue, que seria derramado em favor deles. A morte era representada por ambos os elementos. Nenhum simbolismo poderia ser mais claro. Como ele queria ser lembrado? Não por seu exemplo ou seu ensino, não por suas palavras ou obras, nem mesmo por seu corpo vivo ou pelo sangue que corria em suas veias, mas por seu corpo entregue e seu sangue derramado no sacrifício da cruz.
Assim, a igreja acertou na escolha do símbolo do cristianismo. Ela poderia ter escolhido qualquer outra entre muitas opções — por exemplo, a manjedoura, simbolizando a encarnação; a carpintaria, que comunica a dignidade do trabalho manual; ou a toalha, símbolo do serviço humilde. No entanto esses símbolos foram ignorados em favor da cruz.
A escolha da cruz como o símbolo supremo do cristianismo foi totalmente extraordinária porque na cultura greco-romana a cruz era objeto de vergonha. Como, então, o apóstolo Paulo pôde dizer que se gloriava nela? Esta é uma pergunta cuja resposta buscaremos esta semana.


Fonte :

Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato.