29 de set de 2009

As palavras Gat-Sh'manim e Abba

Marcos 14.32 e 36

32- Eles foram para o lugar chamado Gat-Sh’manim e Yeshua disse aos talmidim (discípulos): Sentem aqui enquanto oro.


Gat-Sh’manim

O nome significa prensa de óleo, prensa de azeite, lugar de óleo, lagar de azeite e é traduzido para o português como Getsêmani. No lugar chamado jardim do Getsêmani existe atualmente pés de oliveira muito antigos, retorcidas; elas provavelmente já estavam plantadas ali quando Jesus andou sobre a terra.
Jardim para onde Jesus frequentemente se dirigia sozinho ou com seus discípulos para orar, descansar ou conversar; local onde Jesus foi traído por Judas na noite anterior a sua crucificação.
O Getsêmani situava-se no monte das Oliveiras a leste de Jerusalém, por sobre o ribeiro de Cedrom e oposto ao templo (Mc.13.3;Jo18.1). A partir de seu nome, pesquisadores acreditam que o jardim situava-se em um pomar de oliveiras que tinha um lagar de óleo. Não foram bem sucedidas as tentativas de localização exato do jardim. Muitos cristãos concordam com um lugar: aquele que a mãe de Constantino, Helena, designou em aproxidamente 325 d. C.. Mas pelo menos dois outros lugares também são amparados pela tradição e apresentam seus defensores. Os relatos dos evangelhos não fornecem detalhes suficientes para indicar o lugar exato do jardim.
O jardim é quase quadrado e protegido por um muro, recentemente construído pelos latinos. O lado norte tem 49 metros e meio, e o lado do poente 52 metros e oitenta centímetros.
Robinson julga que o local é o mesmo descrito por Euzébio que o dá no monte das Oliveiras, e mais tarde, São Jerônimo o assinala na base do monte, ainda que em duvida , se era ou não o verdadeiro Getsêmani.Thomsom acha que o jardim deveria estar perto da cidade e junto a grande via do lado do oriente , por onde Jesus ter passado naquela noite triste e angustiosa.Pensa também que o Getsêmani deveria estar em um vale retirado , distante umas centenas de metros a nordeste do local que a tradição aponta. Barclay é de parecer que o muro do atual jardim não pode compreender senão uma parte do terreno primitivo que deveria ocupar o lado superior do vale. Os gregos fecharam ultimamente um pedaço de terreno, adjunto pelo lado oriente na encosta do monte, considerado por eles como sendo o verdadeiro jardim.
36- Abba!(isto é, querido Pai) “Todas as coisas são possíveis para ti”. Afasta de mim este cálice! Contudo, não seja o que eu quero, mas o que tu desejas.

Abba

αββα [abba] (Substantivo). Pai. (Transliteração do aramaico 'âbbâ', 'abî o 'âbînû [formas de 'âb, "pai"]).
È uma palavra aramaica, encontrada em Marcos 14.36; e em:
Romanos 8:15 :“Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai”.

Gálatas 4.6. "E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai."

Na Gemara (Comentário Rabínico sobre a Mishná, ensino tradicional dos judeus) afirma-se que os escravos eram proibidos de se referir ao chefe da família com esse titulo. Aproxima-se ao nome pessoal, em contraste com “Pai”, com a qual está sempre ligada no N.T. Isso provavelmente pelo fato de que, ABBA, tendo se tornado praticamente um nome próprio, recebeu dos judeus gregos o acréscimo da palavra grega patêr, pai, da língua que usavam. “Abba” é a palavra pronunciada pelas crianças, e denota confiança cega, pai expressa um entendimento inteligente do relacionamento. As duas palavras juntas expressam o amor e a confiança e inteligente da criança. O hebraico incorporou a palavra “Abba” que é um modo familiar de se dirigir ao seu pai. É o equivalente de “pai” ou “paizinho”, como todos os filhos israelenses, o meu me chama de “abba”.
O judaísmo ensina que qualquer um pode se dirigir a Deus e que Deus está próximo de todos. No entanto, o judaísmo considera inaceitável soar muito familiar a Deus.
O artigo sobre “Abba” no Theological Dictionary of the New Testament, de Gerhard Kittel, diz:
“No que se refere à utilização de Jesus, a probabilidade é que Ele tenha usado a palavra a Abba não apenas onde isso fica expressamente revelado (Mc.14.36) mas em todos os casos , e especialmente ao dirigir a Deus, onde os evangelistas registram Ele dizendo o patêr (Pai), patêr mou, patêr mou (meu pai) e talvez , até mesmo patêr êmôm (nosso pai).
Em outras passagens do Novo Testamento , a palavra Abba é sempre associada ao Espírito Santo e com adoção. (Comentário Judaico do Novo Testamento).

Abba – palavra cheia de ternura e intimidade. É difícil para nós entendermos o quanto foi revolucionário haver Jesus chamado Jeová de Abba. O que hoje é uma prática habitual, nos dias de Jesus era algo incomum. Joachim Jeremias, erudito no Novo Testamento, descreve quão raramente o termo era usado:
“Com a ajuda de meus assistentes, examinei a literatura devocional do antigo judaísmo... O resultado desses exames foi que, em lugar algum dessa vasta literatura, foi achada a invocação de Deus como "Aba Pai". Abba era uma palavra comum; uma palavra familiar e corriqueira. Nenhum judeu teria ousado tratar Deus dessa maneira. Não obstante, Jesus o fez em todas as suas orações a nós legadas, com uma única exceção: o brado da cruz — ‘Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? ’ Na oração do Senhor, Jesus autorizou os discípulos a repetirem a palavra Abba depois d’Ele, dando-lhes o direito de partilharem sua condição de Filho. Autorizou-os a falar com o seu Pai celeste de um modo mais confiante e familiar.”

Obras consultadas:
Dicionário da bíblia – John Davis
Dicionário Ilustrado da Bíblia
(Dicionário VINE)
(Hermenêutica – interpretando as Escrituras à luz de Jesus)

N’Ele a qual clamamos Abba (paizinho),

Pastor Marcos Serafim Silva

5 de set de 2009

O Sermão do Monte - As Beatitudes


Sermão do Monte – As Beatitudes

Mateus 5. 1 a 10 - 1- “Vendo a multidão , Jesus subiu ao monte.Depois de assentar-se seus discípulos aproximaram-se dele.
2- E ele começou a falar. Isto é que ele lhes ensinou:
3- Quão abençoados são os pobres de espírito! Porque o reino do céu é deles.
4- Quão abençoados são os que pranteiam! Porque serão confortados.
5- Quão abençoados são os pacíficos! Porque eles herdarão a terra.
6- Quão abençoados os que têm fome e sede de justiça!Porque serão satisfeitos.
7- Quão abençoados os que demonstram misericórdia! Porque lhes será demonstrado misericórdia.
8- Quão abençoados os puros de coração!Porque verão a Deus.
9- Quão abençoados os que promovem a paz! Porque serão chamados filhos de Deus.
10- Quão abençoados os que são perseguidos porque procuram à justiça! Porque deles é o Reino do céu. (Novo Testamento Judaico).


Definindo Bem-aventurança

A palavra grega traduzida como bem-aventurado significa ter bem-estar espiritual e prosperidade, uma alegria profunda no intimo.
Como forma literária, podemos encontrar as bem-aventuranças no Antigo Testamento em várias passagens principalmente nos salmos e muitas vezes no Novo Testamento.
Makarismo denota declaração de bem-aventurança, felicitação; é encontrado em Gálatas 4.5, os convertidos gálatas tinham considerado felizes quando ouviram e souberam do evangelhos de Paulo , ele lhes pergunta retoricamente o que tinha acontecido com o espírito que os tinha animado.

O Sermão

Entre os sermões proferidos por Cristo aos seus discípulos, o Sermão do Monte, como ficou conhecido, traduz de forma marcante e reveladora a essência e a natureza de sua doutrina.
Segundo, o evangelista Mateus, o Sermão do Monte foi proferido, o monte, e a postura física do pregador – como se assentasse (sendo que a pratica do tempo era que o Rabi ensinasse sentado).
As Beatitudes, também, não são primordialmente promessas individuais, mas uma descrição, do individuo. Não mostram ao homem como ser salvo, mas descrevem características por aquele que nasceu de novo.
Em seu mais longo sermão registrado, Jesus começou descrevendo as características que procurava em seus seguidores, chamou de bem-aventurados os que possuíam tais particularidades, por que Deus tem algo especial reservado para eles.
As bem-aventuranças contradizem o estilo o estilo de vida da sociedade. Na ultima, por exemplo, Jesus chega a afirmar que um esforço sério para ser justo está fadado a criar oposição. Mas, se a nossa meta é nos tornarmos parecidos com Jesus, o melhor, modelo de virtudes, as bem-aventuranças desafiarão diariamente o nosso modo de vida.
A primeira palavra da boca do Grande Mestre , no Novo Testamento é bem-aventurados, em contraste com ultimas palavras do Velho Testamento que ele ferirá a terra com maldição. Bem-aventurados quer dizer felizes ou alegres, indicando o transcendente o alvo do reino dos céus, o de chamar os homens para uma vida verdadeiramente feliz. Não é uma vida de alegria superficial, mas de gozo profundo e que perdura.
Neste capitulo nosso Salvador dá oito características da gente bem-aventurada, que para nos representam as principais graças do cristianismo.


1- Os pobres de espírito são bem-aventurados

Na palavra hebraica, pobre não era apenas a pessoa em desvantagem econômica, mas todos quantos, em sua necessidade apelam a Deus em busca de ajuda, Hill diz que são os humildes pobres que confiam na ajuda de Deus.
Os pobres de espírito, aqueles que têm a atitude humildade dependente, vulnerável das pessoas pobres, mesmo acontecendo de elas serem ricas.
A palavra grega para pobres, ptchos, possui tonalidade especial de extrema. Deriva de um verbo que significa rastejar ou agachar (a forma substantiva é usada para designar o mendigo, alguém em pobreza abjeta).
Certamente Cristo, ao dizer pobres de espíritos não se referia aos pobres de espiritualidade, não se referia aos que conhecem muito da intima comunhão com Deus.
Humildes de espírito, o oposto dos espíritos orgulhosos, aqueles que reconhecerem a sua pobreza nas coisas espirituais e permitiram que Cristo suprisse suas necessidades tornaram-se os herdeiros do reino dos céus.

2- Os que choram são bem-aventurados

Um sentimento de angustia por causa do pecado caracteriza o homem bem-aventurado. Mas o arrependimento genuíno concede conforto para o crente.
Os que choram não se referem apenas aqueles que têm passado por épocas difíceis, mas que entendem que todo o sofrimento neste mundo deriva da tendência humana destrutiva, pecaminosa a qual nos impele a agir como se Deus não existisse.
A segunda bem-aventurança nos leva ao quebrantamento, aqui a idéia não é o da autocomiseração em que o individuo se entrega a um estado de lamuria pela própria sorte.Não e o lamento natural por alguma perda, nem a tristeza egocêntrica e invejosa por não ter alcançado o que outros já tem.
Mas é quebrantar-se com tristeza segundo Deus, em razão de seus próprios pecados, bem como tomar para si o sofrimento pelos pecados, maldades e injustiças dos homens que não conhecem a Deus.

3- Os mansos são bem-aventurados

Nos sinóticos, a palavra mansa no grego é Praus.
A idéia dos carnais e que a mansidão é o mesmo que fraqueza, os que andam no Espírito sabem que as duas são opostas, Moises era o mais manso de toda a terra, ao mesmo tempo era um dos maiores lideres e legisladores de todo o tempo, tinha caráter tão inflexível como aço.
Cristo era manso, porem ao mesmo tempo demonstrou que era o Leão da tribo de Judá. A mansidão para com Deus consiste em aceitar todas as suas providencias, sem murmurar, sem mostrar mau humor e nem dar lugar a qualquer ato de oposição.
Só os humildes têm a capacidade de gozar a vida, todas aquelas coisas que provêem satisfação duradoura e genuína.

4- Os que sede e fome de justiça são bem-aventurados

Uma paixão profunda pela justiça, tal desejo é evidencia da insatisfação com o alcance espiritual atual.Por ansiarem por ver o triunfo final de Deus sobre o mal e seu reino plenamente estabelecidos, anseiam também por fazer eles próprios o que é justo e reto.Todos estes tem a crescente satisfação de saber que estão avançando e não bloqueando os propósitos de Deus.
Os súditos do Rei não são justificados por sua própria justiça, mas pela justiça que vem dos céus.
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque serão fartos. Este é um dos mais importantes dos versículos do Sermão do Monte, o estado espiritual do cristão durante toda sua vida dependerá da sua fome e sede da presença de Deus, da Palavra, da comunhão com Cristo, da justiça e da volta do Senhor.

5- Os misericordiosos são bem-aventurados

A quinta bem-aventurança descreve os seguidores de Cristo como sendo misericordiosos, isto é, cheios de compaixão.
Por traz do termo grego esta a rica expressão hebraica hesed, bondade, ou amor persistente.
Misericórdia é o ato de ser compassivo com o próximo em seu estado de carência espiritual, moral e social.
Conta-se que certa mãe pediu ao imperador Napoleão que perdoasse seu filho da sentença de morte. O imperador respondeu que em vista de ser a segunda ofensa, a justiça requereria que o filho morresse. “Não peço justiça, mas sim misericórdia, disse a mãe”. O imperador insistiu: “Mas ele não merece misericórdia”.Exclamou a mãe: “mas não seria misericórdia se ele merecesse, e peço somente misericórdia”. O imperador respondeu: “Ora, mostrarei misericórdia” – o filho foi salvo.

6- Os limpos de coração são bem-aventurados

Aqueles cujo ser moral esta livre da contaminação do pecado, sem interesse ou lealdade divididos. A referencia primaria não é a pureza sexual, embora esta esteja mencionada em 5.28, mas a retidão, a pessoa ser liberta da tirania do eu devido. Motivos ulteriores dividem o coração. Escritores judeus entendiam que essa inclinação para esquizofrenia moral resulta de um yeser ou impulso mau. O que deus exige do que deseja subir ao santo monte do Senhor, senão que seja limpo de mãos e puro de coração. (Sl. 24..3-4).
A pureza genuína prove uma experiência imediata da presença e poder de Deus.O apostolo diz: “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”. (Heb.12.14).
Portanto, esta pureza só é verdadeira quando se realiza a partir a partir do âmago do individuo.(1 Ts. 5.23)

7- Os pacificadores são bem-aventurados.

Os pacificadores são aqueles que se reconciliaram , tem paz mediante a cruz(Rm 5.1), e agora se esforçam , mediante seu testemunho e sua vida , para levarem outras pessoas , inclusive os seus inimigos , à paz com Deus.
Assim como Deus é o “Deus da paz” (Heb. 13.20) e Cristo “O príncipe da paz” (Is. 9.6), os pacificadores no Reino serão reconhecidos como participantes da natureza devida, e serão devidamente honrados.
Os pacificadores são os que reconhecem a sua pobreza de espírito, os que choram em Sião, os mansos, os que têm fome e sede da justiça, os misericordiosos, os limpos de coração. Esses não somente promovem a paz em tudo que dizem, mas em tudo que fazem.
Aqueles que possuem as características das seis primeiras bem-aventurança, e assim exerceram enorme influencia para a paz entre os homens, serão chamados filhos de Deus. Se os pacificadores são bem-aventurados, ai daqueles que destroem a paz!
Na bíblia o termo paz abrange também o sentido de harmonia. Ora , o pecado, é a fonte de todas as mazelas , isto significa que o exercício da pacificação é uma qualidade de quem já removeu de seu coração , mediante ao sangue de Jesus , a causa dos males pessoais e pode , por isso mesmo , contribuir para que outros removam de suas vidas.


8- Aqueles que são perseguidos por causa da justiça são bem-aventurados

A das oito bem-aventuranças está repetida como o sonho de Faraó, por que é de difícil aceitação e porque a aplicação é certa. Parece incrível que os humildes que choram em Sião , os mansos, os misericordiosos , os limpos de coração , os pacificadores sejam odiados pela maioria dos homens.
Aqueles que são perseguidos sofrem simplesmente por sustentarem os padrões divinos de verdade, justiça e pureza, recusando ajustar-se ao paganismo ou a curva-se perante os ídolos que os homens erguem como substitutos de Deus.
Como Paulo alertou seu amigo Timóteo, todos os que querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos (2Tm 3.12) , mas a estes Jesus assegura que são cidadãos do único , permanente , o reino dos céus.
A bem-aventurança final tem que ver com os que sofrem perseguição porque mantêm na confissão de fé na vida as exigências de retidão impostas por Deus.
Insultos, oposição e mentiras devem ser esperadas pelos seguidores , quando isso acontecer, regozija-vos e alegrai-vos. O segundo verbo é composto por duas palavras gregas que significam “saltar excessivamente”.
O compromisso com o evangelho não admite outra opção. Não há como ser amigo do mundo e , ao mesmo tempo , agradar a Deus. Portanto , a possibilidade de o crente ser hostilizado por causa da fé é algo perfeitamente previsível na economia divina.
Quando estabelecer o reino messiânico , essas injustiças serão sanadas, e mesmo dentro desse reino a presença de homens com natureza pecadora tornarão possível, ainda que imediatamente julgado. Os profetas , videntes do velho testamento que profetizaram o reino e proclamaram seu caráter de justiça encontraram a mesma oposição.


n'Ele , em quem somos bem-aventurados,


Pr. Marcos Serafim Silva

Obras Consultas : Bíblia de Estudo Pentecostal
Lições Escola Bíblica Dominical – ano 2001
Dicionário Vine
Dicionário Ilustrado da Bíblia
Comentário Bíblico Moody – Volume
Comentário Bíblico Mattew Henry
Comentário Bíblico Mateus – R.S.V Tasker
Comentário Bíblico Mateus – Robert Mouce






1 de set de 2009

A mulher Sirio-fenícia





Mattiyahu (Mateus) 15.21 a 28

21- Yeshua saiu daquele lugar e retirou-se para região Tzor e de Tzidon
22- Uma mulher de Kena’an, que morava ali, veio a ele, gritando: “Senhor, tenha misericórdia de mim, filho de David”! Minha filha é mantida sob o poder de demônios e esta sofrendo muito!
23- Mas Yeshua não lhe disse palavra alguma, então seus talmidim (discípulos) se aproximaram dele e pediram: “Mande – a embora, porque ela está nos seguindo, e seus gritos são insuportáveis.”.
24- Ele respondeu: “Eu fui enviado apenas para as ovelhas perdidas de Yisra’el”.
25- A mulher veio, caiu a seus pés e disse: “Senhor, ajude-me!”.
26- Ele respondeu: “Não é certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cães de estimação”.
27- Disse ela: “Isso e verdade, Senhor, mas ate mesmos os cães comem as sobras que caem da mesa de seus donos.”.
28- Então Yeshua, respondeu-lhe: “A senhora é uma mulher que possui muita confiança! Que seu desejo seja atendido.” E naquele mesmo instante sua filha foi curada.




21- Yeshua saiu daquele lugar e retirou-se para região Tzor e de Tzidon

Sirio-fenicia – Mulher gentia, cuja filha foi curada por Jesus, era natural da Fenícia (Fenícia – na esfera religiosa, os fenícios ficaram conhecidos pelo seu interesse nas práticas animistas, ou seja, a adoração as arvores , montanhas e demais manifestações da natureza . A Grande Mãe e Baal (o deus protetor) eram duas mais prestigiadas divindades do Universo religioso fenício. Geralmente , os rituais eram executados ao ar livre e incluíam a realização de sacrifícios , sendo que alguns destes contavam com a oferenda de seres humanos.), nação situada no noroeste da Palestina e anexada a província romana da Síria – daí a designação “sirio-fenicia”. Embora não pertencesse a nação judaica, esta mulher acreditava que Jesus podia curar sua filha, Jesus elogiou-a por sua fé.
Depois do duro choque com os escribas e fariseu, Jesus retirou-se para um lugar inteiramente fora do território de Israel, para as partes de Tiro e Sidônia. Novamente se vê como era grave a rejeição pelos judeus uma mulher Cananéia, uma gentia, recebe a benção, ate então reservada para Seu povo. Verdadeiramente da queda dos judeus veio à salvação para os gentios.
Jesus passou maior parte do seu ultimo ano de ministério publico, em território dos gentios, na Fenícia, em Decápolis e na Peréia, sua fama o precedera apesar de entrar ocultamente, não podia esconder-se.

22- Uma mulher de Kena’an, que morava ali, veio a ele, gritando: “Senhor, tenha misericórdia de mim, filho de David”! Minha filha é mantida sob o poder de demônios e esta sofrendo muito!

1- Uma grande necessidade:

a) um caso terrível: uma sujeita a um espírito maligno, mas, não nos parece ser sem o consentimento dela. A carne está sujeita em todos, mas há quem franqueie a entrada de espíritos malignos.
b) um caso sem remédio por quaisquer meios conhecidos
c) um mal que afligia a mãe e toda família. Sem duvida a necessidade era grande.

23- Mas Yeshua não lhe disse palavra alguma, então seus talmidim (discípulos) se aproximaram dele e pediram: “Mande – a embora, porque ela está nos seguindo, e seus gritos são insuportáveis.”.

2- Uma grande esperança :

a) a mulher ouvira de Jesus e seus milagres
b) dirigiu-se a Ele inconvenientemente, porque ela tinha como “filho de Davi”, e parece que quis fingir-se israelita.
c) Ela persistiu, por que não tinha outra esperança, mas mudou a sua maneira de tratar o Senhor.

24- Ele respondeu: “Eu fui enviado apenas para as ovelhas perdidas de Yisra’el”.
25- A mulher veio, caiu a seus pés e disse: “Senhor, ajude-me!”.

3) Uma grande fé manifestada:

a) na humilde confissão da sua necessidade
b) na suplica fervorosa
c) na sua perseverança, Jesus quis experimentar sua fé, porque sabia que ela resistiu à prova.

26- Ele respondeu: “Não é certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cães de estimação”.
27- Disse ela: “Isso e verdade, Senhor, mas ate mesmos os cães comem as sobras que caem da mesa de seus donos.”.

Essa mulher gentia tinha conhecimento do costume judeu de chamar os gentios de cachorros e a si mesmo de filhos de Deus.
A aparente rudeza da expressão de Cristo foi abrandada pelo fato de que o termo não se refere aos ferozes e repugnantes cães vadios que perambulavam pelas ruas, mas cachorrinhos, que viviam nas casas como animais de estimação.
A mulher aceitou inteiramente a ordem divina, e a sua fé e agarrou a verdade que se lhe aplicava.



Cães de estimação

Existem duas palavras gregas, para cachorro:

a) Kuôn – animais errantes que vagam pelas ruas em matilhas.
b) Kunarion - cachorrinhos mantidos em casa como animais de estimação.
Ainda assim, mesmo se os gentios não forem aqui comparados com as feras selvagens, será que ainda assim eles não estão sendo insultados? A resposta só pode ser: Não mais que o próprio Tanakh, onde o povo de Israel é tomado por Deus de um modo especial como seus filhos. E embora o judaísmo ensine que os gentios são o restos do mundo tem participação no mundo futuro, isso não é um foco primário nem do Tanakh, nem do judaísmo rabínico.

28- Então Yeshua, respondeu-lhe: “A senhora é uma mulher que possui muita confiança! Que seu desejo seja atendido.” E naquele mesmo instante sua filha foi curada.

Grande é a tua fé

O segundo gentio a ser louvado pela sua fé, e o terceiro exemplo de cura de Cristo a distancia.
Jesus contrapôs a vontade divina de alcançar os gentios à dos judeus e desprezá-los. Ironicamente muitos judeus perderam a salvação e as bênçãos divinas por que rejeitaram Jesus, e muitos gentios foram salvos porque o reconheceram e o aceitaram.
Jesus reconheceu nessa palavra a existência de uma fé genuína (Mt.15:28). Enquanto falava, o demônio saiu (grego perfeito) de sua filha. O aspecto diferente deste milagre foi que se realizou a distancia, sem qualquer ordem.

O que a fé fez a mulher Cananéia

1) Levou - a Jesus
2) Levou – a pedir a Jesus
3) Levou-a achegar-se a Jesus
4) Levou-a perseverar na hora da prova, da duvida.
5) Levou - a vitória, sendo atendida em sua petição e conhecendo o mestre.

n'Aquele que não faz acepção de pessoas

Pr. Marcos Serafim Silva

Obras consultadas
(Comentário Bíblico Moody – Volume 4)
(Comentário Judaico do Novo Testamento)
(Bíblia Vida Nova)
(Espada Cortante – Volume I – O.S. Boyer).
(Novo Testamento Judaico).
(Dicionário Ilustrado da Bíblia)
(Bíblia Explicada – S.E. Mcnair)