8 de abr de 2014

Devocional - Fidelidade e lealdade

Fidelidade – Lealdade 

 E sucedeu que, acabando ele de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a alma de Davi; e Jônatas o amou, como à sua própria alma.(Samuel 18.1) 

Fidelidade (do latim fidelitas  pelo latim vulgar fidelitate ) é o atributo ou a qualidade do que ou de quem é fiel (do latim fidelis), para significar que ou o quem conserva, mantém ou preserva suas características originais, ou que ou o quem mantém-se fiel à referência.
Nas relações humanas, fidelidade implica confiança e vice-versa, e essa relação de implicação mútua aplica-se quer entre dois indivíduos, quer entre determinado sujeito e o objeto sob sua consideração, que, a seu turno, também pode ser abstrato ou concreto. Essa co-significação originária mostra-se plena quando se tratam de dois sujeitos, ambos com capacidade ativa, pois, nesse caso se pode invocar o correlato confiança (do latim cum, "com" e fides, "fé").
Davi e Jônatas fizeram um pacto de lealdade, fidelidade, isso não só em vida, mas também depois que Jonatas morreu. Davi quando assumiu o reinado, demonstrou sua lealdade favorecendo a Mefibosete e restituindo os pertences que um dia foi de Saul e, também, que Mefibosete era "coxo de ambos os pés". Apesar de neto de seu inimigo (Saul), era o filho de seu amigo (Jônatas), e Davi o tinha por comensal.
A este respeito, escreve o rabino Henry I. Sobel, da Congregação Israelita Paulista:
“O íntimo relacionamento entre Jônatas e Davi é visto na Bíblia como um modelo de amizade. Em nenhum lugar das Escrituras se encontra referência a uma ligação homossexual entre eles. O versículo normalmente citado para justificar o homossexualismo é aquele em que Davi chora a morte de Jônatas, dizendo: ‘Teu amor me era mais precioso que o amor das mulheres’ (2 Sm 1.26). É importante observar, entretanto, que a palavra hebraica ahavá não significa apenas amor no sentido conjugal/sexual, mas também no sentido paternal (‘Isaque gostava de Esaú’, em Gn 25.28), no sentido de amizade ( ‘Saul afeiçoou-se a Davi’, em 1 Sm 16.21), no sentido de amor a Deus (‘Amarás o Senhor, teu Deus’, em Dt 6.5) e no sentido de amor ao próximo (‘Amarás o próximo como a ti mesmo’, em Lv 19.18). Em todos estes exemplos, o verbo usado na Torá (a Bíblia hebraica) é ahavá. É por razão lingüística — e não por falso pudor — que a maioria das traduções bíblicas cita 1 Samuel 1.26 ‘Tua amizade me era mais preciosa que o amor das mulheres.”
Em um mundo de tanta deslealdade e infidelidade, que pessoas se vendem para lograrem melhores condições de vida, acabam destruindo amizades longínquas. Nós como cristãos temos o caráter de Cristo, sua mente, seus ensinamentos e principalmente sua mansidão e não devemos nos portar como se portam os ímpios.
Paulo quando escreve a Tito ele diz: “Não defraudando, antes mostrando toda a boa lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus, nosso Salvador.”
Quantas deslealdades ocorrem, em âmbitos gerais da vida cristã, alguns para estarem melhores colocados, defraudam o companheiro, inclusive ministerialmente, onde deveríamos ter mais fidelidade e lealdade demonstramos um caráter frágil e que precisa urgentemente passar pelo calvário para remover essa praga que assola a muitos.   


Oração: Senhor ajuda-nos em nossas fraquezas que possamos ser leais a Ti, que nossa vida sirva de exemplo para aqueles que nos rodeiam, cerca-nos com tua misericórdia, inunda-nos com tua graça, ensina-nos a amar nosso próximo como a nós mesmos, e não nos deixe cair na tentação de sermos desleais e infiéis a quem quer que seja. No precioso nome de Jesus, te pedimos. Amém!